::: NEBULOSA DE ETA CARINA PARA IMPRIMIR EM 3D :::

 

Usando dados do espectrógrafo X-Shooter que funciona acoplado ao VLT - Very Large Telescope que fica no ESO - European Southern Observatory, no Chile, um grupo de nove cientistas internacionais, dentre eles três brasileiros, criaram um mapa espectroscópico da Nebulosa do Homúnculo ao redor da estrela binária Eta Carina .

O trabalho foi publicado em 8 de julho de 2014 no periódico científico Monthly Notices of the Royal Astronomical Society e é destaque hoje no APOD - Astronomy Picture of The Day da NASA.

A partir do mapa espectroscópico, foi possível criar um modelo 3D da nebulosa. O resultado é equivalente a uma tomografia da nebulosa! Incrível! 

Na imagem abaixo você confere duas posições do modelo 3D sobrepostas à imagem da nebulosa feita pelo telescópio espacial Hubble. Clique na imagem para abrir versão maior e legendada.

APOD/NASA
 
Modelo 3D da nebulosa do Homúnculo em Eta Carina

 

Confira nesse link uma animação que mostra a nebulosa girando 360 graus na tela. Vai abrir noutra janela.

E o que é bem legal: os cientistas disponibilizaram um modelo (arquivo digital) para ser  impresso numa impressora 3D. Se você tiver um desses brinquedinhos high tech, poderá imprimir o seu próprio modelo em casa! 

Na imagem a seguir um cientista segura um modelo 3D impresso diante da foto original da nebulosa.

Goddard Space Flight Center/NASA

Cientista compara modelo 3D da nebulosa com uma imagem real

 

Um dos pesquisadores mais respeitados no mundo quando se se trata de Eta Carina é o prof. Augusto Damineli do IAG - Insituto Astronômico e Geofícios da USP. Na foto logo abaixo vemos o prof. Damineli, que participou do trabalho de cooperação internacional, segurando um modelo 3D impresso do homúnculo.

  
Prof. Augusto Damineli com o modelo 3D impresso

 

A Nebulosa do Homúnculo, que fica a cerca de 7500 anos-luz da Terra, é fruto de uma grande explosão em Eta Carina detectada em 1843*. Desde então, o material ejetado vem se expandindo, formando a curiosa nuvem classificada como nebulosa bipolar pois tem dois lóbulos dispostos em simetria axial. Os lóbulos são constituídos de uma casca fina de poeira com cerca de 15 vezes a massa do Sol e 3 trilhões de quilômetros de extensão. O sistema binário de estrelas fica exatamente no encontro desses dois lóbulos. O mecanismo de formação de uma nebulosa bipolar ainda não é bem entendido pelos cientistas. Mas suspeita-se, pela formação, que o material tenha sido ejetado dos polos opostos da estrela que explodiu.

Confira abaixo mais informações sobre o sistema binário de Eta Carina e a Nebulosa do Homúnculo em entrevista o prof. Damineli em 2012.

Fonte: Pequisa Fapesp


* A explosão ocorreu, na verdade, 7500 anos antes de 1843. Mas as informações sobre o evento, viajando no espaço à velocidade da luz, só foram detectadas na Terra em 1843, 7500 anos depois.


Saiba mais

  • Matéria no site do IAG/USP
  • Página do prof. Damineli com detalhes do projeto




Um forte abraço. E Física na Veia!
prof. Dulcidio Braz Júnior (@Dulcidio)
às 22h26





::
:: Clique e recomende este post para um amigo
::


 
  ::: NEM EXA, NEM HEXA :::


Frase oficial da nossa seleção gravada no ônibus da Copa 2014

 

A primeira conquista de uma Copa do Mundo de Futebol pelo Brasil foi em 1958. A segunda veio logo em 1962 e nos tornamos bicampeões mundiais. O tricampeonato foi conquistado em 1970, a primeira Copa de que me lembro e que vi numa TV em preto e branco. Em 1974 pude ver a Copa numa TV em cores, na casa de um amigo do meu pai. Mas o Brasil foi desclassificado pelo Carrossel Holandês de Cruyff. Ainda demorou bastante para vir o tetracampeonato, conquistado somente em 1994. O Brasil sagrou-se pentacampeão em 2002. 

Em 2006, na primeira Copa do Mundo de Futebol depois do penta, o Brasil poderia ganhar o sexto campeonato mundial de futebol. E aí veio a pergunta: bi, tri, tetra, penta, ...., qual o prefixo para seis? Começou-se então a falar em hexacampeonato. Mas muita gente ainda se confundia e escrevia "exa", sem h.

A frase Rumo ao Hexa ficou famosa. Mas era bastante comum encontrarmos Ruma ao "Exa". Vi muitas fotos na internet mostrando a frase com a grafia errada. Depois veio a Copa de 2010. E o erro ainda persistia, mas já era bem menor. Em 2014, de tanto que se falou/escreveu sobre o assunto e da Copa em território brasileiro, o erro caiu para praticamente zero. E vimos, inúmeras vezes na TV, nso jroanis, na internet, ..., a frase "Preparem-se! O hexa está chegando!" estampada no ônibus oficial da nossa seleção. 

De qualquer forma, com o quarto lugar na Copa 2014 em casa, não veio nem hexa nem o exa campenato. Mas fomos hepta massacrados pelos gols alemães! Bem... melhor esquecer logo dessa catástrofe futebolística... 

O que pouca gente sabe é que o prefixo exa também existe. E significa 1018, ou seja, o número 1 seguido de 18 zeros (1000000000000000000). Confira abaixo os principais prefixos usados na Física para as unidades de medida, incluindo o exa.

 

FATOR
PREFIXOSÍMBOLO
10000000000000000001018exaE
10000000000000001015petaP
10000000000001012teraT
1000000000109gigaG
1000000106megaM
1000103quilok
100102hectoh
10101decada
0,110-1decid
0,0110-2centic
0,00110-3milim
0,00000110-6microm
0,00000000110-9nanon
0,00000000000110-12picop
0,00000000000000110-15femtof
0,00000000000000000110-18attoa

 

É curioso observar que a Copa 2014 foi a vigésima edição do evento que começou em 1930. 2014 - 1930 = 84. Dividindo 84 por 4, encontramos 21. Contando com a primeira Copa, a de 1930, deveríamos ter tido 22 Copas. Mas só tivemos 20. É que não houve Copa do mundo nem em 1942 nem em 1946 por conta da Segunda Guerra Mundial. 

E não há como nenhum time ser exacampeão mundial de futebol. O time precisaria ter ganho o título 1018 vezes! Como a competição ocorre a cada 4 anos, precisaríamos de um total de 4. 1018 anos. Mas nosso Universo tem apenas 13,6 bilhões de anos (confira o cálculo aqui).  13,6.10anos ou 1,36.1010 anos é muito menos do que 4.1018 anos! 

Enquanto a sexta estrelinha na camisa oficial da seleção brasileira não vem, enquanto ainda somos pentacampeões (e não petacampeões), que tal memorizar todos os prefixos acima? Pelo menos para quem está estudando Física na escola básica ou em algum curso superior é super importante!

Mas pode ir com calma. Não precisa correr! Algo me diz que o hexa ainda vai demorar... E nem estou falando do exa


A camisa oficial da nossa seleção ainda continua com 5 estrelinhas

 


Já publicado aqui no Física na Veia!


Jpá visitou a fanpage do Física na Veia! no Facebook? Não? O endereço é

www.facebook.com/FisicaNaVeia

 

Aproveite para CURTIR e ficar ligado no blog!

Basta um clique para receber automaticamente todos os posts aqui publicados além de novidades diárias de Física e Astronomia! 





Um forte abraço. E Física na Veia!
prof. Dulcidio Braz Júnior (@Dulcidio)
às 11h07





::
:: Clique e recomende este post para um amigo
::


 
  ::: O CHUTE PERFEITO :::

Nerdologia

"O chute perfeito", do "Nerdologia"

 

Em clima total de Copa do Mundo, está no ar "O Chute Perfeito", episódio 38 do "Nerdologia", Canal do Youtube comandado pelo meu amigo Átila Iamarino, pesquisador da USP, em parceria com o pessoal do Jovem Nerd.

Tive o prazer de ajudar no divertido roteiro que está ancorado em várias matérias daqui do Física na Veia! e cujos links foram destacados no post anterior. Role a página para baixo e confira "O que física tem a ver com futebol?". Mas antes, veja o "Nerdologia 38". Ok?


Conheça a fanpage do Física na Veia! no Facebook:

www.facebook.com/FisicaNaVeia

 

Aproveite para CURTIR e ficar ligado no blog!

Basta um clique para receber automaticamente todos os posts do blog e novidades diárias de Física e Astronomia! 





Um forte abraço. E Física na Veia!
prof. Dulcidio Braz Júnior (@Dulcidio)
às 17h09





::
:: Clique e recomende este post para um amigo
::


 
  ::: O QUE FÍSICA TEM A VER COM FUTEBOL? :::

fifa.com

Neymar Jr, a jovem esperança da nossa seleção

 

Uma das tarefas do Física na Veia! é ficar de olho em tudo o que acontece para tentar provar que física tem a ver com tudo!

Nesse pacote do "tudo", também entra o futebol! E exatamente hoje, quando começa a Copa do Mundo 2014 em território brasileiro, para entrar no clima, repasso alguns exemplos de posts aqui publicados onde física e futebol se deram bem.  

  1. Sobre um viral da Nike em que Neymar Jr bate um escanteio e corre para receber a bola e marcar o gol:
    Neymar Cruza e Faz o Gol: Verdade ou Mentira?
    Neymar Cruza e Faz o Gol: A Verdadeira Parábola
  2. Sobre um gol incrível do Ronaldo 'Fenômeno'
    Raio X de um Gol Fenomenal
  3. Por que algumas bolas na trave entram e outras não?
    Aquela Bola na Trave...
  4. Lembra das barulhentas vuvuzelas da Copa 2010?
    Vuvuzelas: o Som da Copa 2010
    Como 'Desligar' as Vuvuzelas na sua TV
  5. Galvão Bueno afirmou e uma "pérola" física sobre a trajetória curva da bola
    Vai Que é Tua Galvão!
  6. Um jogador do Lens levou uma bolada e tanto! 
    O Futebol e a Física das Colisões
  7. Sobre a aerodinâmica e outras características da bola.
    A Bola da Vez 
    Copa 2014: O Coeficiente de Restituição da Bola
    Bola Cheia
  8. Como pode uma bola fazer curva depois de chutada? De onde vem a resultante centrípeta?
    Bola Rolando e 'Girando'

... e por aí vai. Se vasculhar o blog, vai encontrar outros tantos textos sobre física e futebol. Nesse índice você encontra alguns textos na mesma linha.

 

:: Minhas Copas do Mundo

Minha primeira Copa do Mundo de Futebol foi em 1970. Comecei bem, né? Eu tinha quase sete anos de idade e vi, ainda numa TV em preto e branco, nossa seleção vencer o mundial com categoria de sobra. Pelé, Tostão, Gerson, Jairzinho,..., só gente que tratava bem da bola! De lá para cá, não perdi nenhuma Copa!

Em 2010, no começo da Copa na África do Sul, eu estava na Alemanha participando do Global Media Forum da Deutsche Welle onded fui receber o The BOBs - The Best of Blogs de Melhor Weblog em Português 2009/2010 do Mundo. Quando cheguei em Bonn, mal deu tempo de tomar um banho no hotel e já correr para um barzinho para ver o primeiro jogo do Brasil na TV. Mesmo narrado em alemão, que não entendo nada, foi emocionante. Confira mais detalhes nesse post

Mas devo confessar que, paradoxalmente, quando a Copa acontece no meu país, não estou tão empolgado. E nem preciso me demorar nas explicações. Há muitos brasileiros que, como eu, gostam bastante de futebol, vibram com as Copas e a nossa tradicional camisa amarela, mas estão decepcionados com a forma que os nossos governantes conduziram toda a preparação da Copa. Gastaram muito e o pacote de benfeitorias que deveria vir junto com as arenas de alto padrão não veio.

Só que agora não é mais hora de falar dessas coisas chatas. A festa vai começar. Temos que vivê-la como brasileiros e com orgulho! Temos, por obrigação, fazer uma linda Copa, para todo o mundo ver a alegria e a competência do povo brasileiro, apesar dos nossos "líderes" políticos...

Devemos tratar muito bem os estrangeiros que aqui estão chegando para que levem de volta para seus países uma imagem positiva do povo que somos.  E devemos torcer e fazer o que pudermos para que tudo dê muito certo!

Enquanto ainda não me empolguei de vez com o evento, aguardo com muita euforia o pontapé inicial dado por um paraplégico vestindo um tecnológico exoesqueleto operado pelo cérebro, idealização e realização de Miguel Nicolelis, cientista brasileiro, e sua equipe.  É o projeto Walk Again ou Andar de Novo que vai mostrar para o mundo que não temos apenas craques da bola. Temos craques da Ciência e da Tecnologia também! 

Walk Again (Facebook)

Exoesqueleto do Walk Again

 

 





Um forte abraço. E Física na Veia!
prof. Dulcidio Braz Júnior (@Dulcidio)
às 08h20





::
:: Clique e recomende este post para um amigo
::


 
  ::: ESCOLA DE FÍSICA DO CERN 2014 :::

CERN

Vista parcial do grande anel do LHC

 

Que tal conhecer de perto o LHC - Large Hadron Collider, o maior acelerador de partículas de todos os tempos e que foi fundamental para a confirmação do Bóson de Higgs que deu Nobel de Física 2013 a Peter Higgs e François Englert?

Se você é brasileiro e professor de Física do ensino médio de escolas públicas ou particulares, você pode! Basta tentar uma das trinta bolsas oferecidas pela CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior para participar da Escola de Física do CERN 2014, evento organizado pela SBF - Sociedade Brasileira de Física em parceria com o LIP - Laboratório de Instrumentação e Física Experimental de Partículas.

E evento começa no LIP, em Lisboa, Portugal, em 21 e 22 de agosto de 2014. E continua no CERN - Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear em Genebra, na Suíça, entre 24 e 29 de agosto de 2014. 

Além de conhecer o LHC, os professores brasileiros farão um curso intensivo de Física de Partículas.  

Poderão se inscrever professores(as) de Física de Ensino Médio, que:

  • sejam graduados em Física (licenciados/as ou bacharéis) ou que tenham Licenciatura com habilitação em Física;
  • estejam em atividades de docência, em sala de aula, em turmas do Ensino Médio;
  • estejam atuando prioritariamente como professor de Física no Ensino Médio.
Ficou interessado? Confira mais detalhes no edital da SBF. E boa sorte no seu projeto!

Estive na Escola de Física do CERN 2010 e foi uma experiência incrível! Confira posts que escrevi direto do evento, em parceria com o UOL Ciência. 

Fanpage do Física na Veia! no Facebook:

www.facebook.com/FisicaNaVeia

 

Para CURTIR e ficar ligado no blog!

Basta um clique para receber automaticamente todos os posts do blog e novidades diárias de Física e Astronomia! 





Um forte abraço. E Física na Veia!
prof. Dulcidio Braz Júnior (@Dulcidio)
às 19h49





::
:: Clique e recomende este post para um amigo
::


 
  ::: SIMULADO DA OBA :::


Logo do aplicativo Simulado OBA

 

OBA é a sigla para Olimpíada Brasileira de Astronomia, evento oficial da SAB - Sociedade Astronômica Brasileira, que mobiliza estudantes do ensino fundamental e médio em torno de temas ligados à Astronomia desde 1998.

A partir de 2005, numa parceria com a AEB - Agência Espacial Brasileira, a OBA passou a ser Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica, ampliando o conteúdo abordado na prova.  Entre 2008 e 2013, com a entrada de Furnas na parceria, a prova passou a contemplar também questões ligadas ao consumo e geração* de energia elétrica. Em 2014 volta a ter apenas questões de Astronomia e Astronáutica.

A grande novidade de 2014 é o aplicativo Simulado OBA, disponível para iPad e iPhone que rodam o iOS da Apple e também smartphones e tablets que rodam Android. O aplicativo faz perguntas, baseadas em provas anteriores da OBA. E aponta o número total de acertos e dá dicas sobre as respostas erradas. Simples, mas bem bacana e eficiente para despertar o interesse pelo estudo da Astronomia. 

Ficou interessado? Veja os links para download logo abaixo.

Quando for baixar o aplicativo, fique atento a dois detalhes:

I) Há quatro níveis de prova e, portanto, quatro níveis de simulados. Os três níveis iniciais equivalem ao ensino fundamental e o nível 4 corresponde ao ensino médio. 

II) Há duas versões: uma gratuita (restrita e com propagandas) e outra paga (sem propagangas e com mais recursos).  

 

:: O site oficial da OBA 

O site www.oba.org.br merece uma visita! Além das provas dos anos anteriores, resolvidas e comentadas, você vai encontrar vasto material didático e dicas de Astronomia, como por exemplo:

E tem muito mais. Entre lá e descubra. 

 

:: Vaquinha para comprar um planetário digital 

Os organizadores da OBA, liderados pelo prof. João Batista Canalle (UERJ), que sempre promovem eventos de capacitação de professores e alunos por todo o Brasil, abriram campanha para arregcadar R$ 50.000 reais para a compra de um planetário móvel digital. O planetário, nos eventos de capacitação, será uma ferramenta muitíssimo importante!  

Participe da vaquinha aqui. Quando eu estava escrevendo esse post, eles já tinham conseguido 95% do dinheiro necessário. Sensacional!  


* Sendo mais rigoroso, o termo geração, quando se trata de energia, não é fisicamente correto. No caso das unsinas responsáveis pela energia elétrica que utilizamos, elas não geram energia elétrica mas apenas transformamos energia não elétrica em energia elétrica.


Mais da OBA


Fanpage do Física na Veia! no Facebook:

www.facebook.com/FisicaNaVeia

 

Para CURTIR e ficar ligado no blog!

Basta um clique para receber automaticamente todos os posts do blog e novidades diárias de Física e Astronomia! 





Um forte abraço. E Física na Veia!
prof. Dulcidio Braz Júnior (@Dulcidio)
às 20h38





::
:: Clique e recomende este post para um amigo
::


 
  ::: LUA OCULTARÁ SATURNO HOJE :::

Imagem: Pete Lawrence

Ocultação de Saturno em 2007 (clique para abrir imagem maior)

 

Hoje, 20 de março, muita gente desavisada vai achar curioso um pontinho luminoso bem próximo da Lua. Os mais atentos, se tiverem tempo para uma observação mais longa, notarão que o pontinho luminoso vai, gradativamente, se aproximar da Lua. E num dado momento o pontinho vai desaparecer por trás do nosso satélite, reaparecendo bem mais tarde, do outro lado.

O tal pontinho é Saturno. Visto a olho nu, o imponente gigante gasoso e seu incrível sistema de anéis não passa de uma estrelinha bem luminosa. Por uma linda coincidência cósmica, nosso satélite vai passar na frente do planeta Saturno, ocultando-o. 

Com um binóculo, o fenômeno fica ainda mais interessante. Com um telescópio, a visão pode ser maravilhosa, com detalhes incríveis do relevo lunar e de Saturno e seus anéis numa única imagem, parecida com a linda foto que ilustra esse post lá no topo e mostra uma ocultação lunar de Saturno ocorrida em 2007.   

Mesmo a olho nu, vale a pena tentar observar o espetáculo. É o que eu farei, sem telescópio. Estarei de prontidão, com uma câmera digital de prontidão no tripé para registrar a ocultação. Postarei as fotos aqui nesse post.

O bacana é que teremos transmissões ao vivo, via internet, de imagens feitas por telescópios. Sérgio Sansevero e outros amigos do Astronomia ao Vivo já avisaram que farão transmissão ao vivo. Passarei o link para a cobertura deles assim que o evento entrar no ar.

 

:: Como observar

Encontrar a Lua no céu não tem erro. Ela vai nascer pouco depois das 21h, no lado leste, e virá acompanhada de Saturno, um pontinho brilhante já visualmente bem perto dela.  

Simulei o evento para a minha região, interior de São Paulo. Saturno vai "tocar" o disco lunar por volta das 22h30min, sumindo logo em seguida. E reaparecerá cerca de 46 minutos depois, do outro lado da Lua.

Vai dar para companhar o fenêmeno praticamente em todo o território nacional, exceto no estado do Rio Grande do Sul. Mas para cada região do Brasil o evento terá uma duração diferente, com início e fim variáveis em alguns minutos. O mapa mais bacana que encontei foi no site Apolo11.com. Clique aqui para vê-lo noutra janela, diretamente do site original.



:: Cobertura em tempo real

Aqui nublou. Chove. Chance mínima de observações e fotos.
Mas vou acompanhar o Sérgio Sancevero e os amigos do Astronomia ao Vivo que promovem o SkyLive! Telescópios ao Vivo, um hangout com astrônomos de todo o Brasil que vão transmitir imagens da ocultação de Saturno feitas com telescópios nas suas resoectivas cidades espalhadas pelo país.
Começa às 22h00min. E vale lembrar que é a estreia do SkyLive! 

 

Confira, pelos links abaixo, imagens do fenômeno pelo Brasil (direto do site SpaceWeather)

 

 


Já publicado aqui no Física na Veia!

Fanpage do Física na Veia! no Facebook:

www.facebook.com/FisicaNaVeia

 

Para CURTIR e ficar ligado no blog!

Basta um clique para receber automaticamente todos os posts do blog e novidades diárias de Física e Astronomia! 





Um forte abraço. E Física na Veia!
prof. Dulcidio Braz Júnior (@Dulcidio)
às 15h49





::
:: Clique e recomende este post para um amigo
::


 
  ::: HOJE É O 'PI DAY' :::

Cartesian Bear

 

Hoje é 14 de março, 14/3 ou 3/14 como gostam de representar os americanos. Como 3/14 lembra 3,14, 14 março é o Pi Day, o dia dedicado ao número Pi (π)!

Pi, você sabe, é o número irracional* mais manjado da história. Babiônios e Egípcios já sabiam que o pi era uma constante e que valia pouco mais do que 3.

Encontrar o melhor valor de pi tornou-se uma febre entre os geometras ao longo da história! Em cálculos simples, é comum aproximarmos o pi com duas casas decimais, ou seja, π = 3,14.  O pi, com cem casas decimais, é

 

π = 3,14159265358979323846264338327950288419716939937510
5820974944592307816406286 208998628034825342117067...

 

Tá bom para você? Talvez para você. Mas não para por aí. O pi não tem fim. E por isso mesmo há quem se dedique a calcular o pi com muitas, mas muitas casas decimais! Veja aqui o pi calculado com cem mil dígitos!

O pi aparece bastante na Física e já esteve presente em muitos posts aqui no Física na veia. Veja dois exemplos, post 1 e post 2, dentre tantos outros.

Para comemorar o dia do pi, você pode tentar medí-lo. É simples. Mas divertido.  Veja a ilustração abaixo e siga os passos:

  1. Consiga algo de perfil redondo, um recipiente cilíndrico (pode ser uma lata vazia, um prato, um CD,...). Na imagem acima uso uma latinha;
  2. Enrole cuidadosamente um barbante ao redor da circunferência do objeto redondo que conseguiu (linha tracejada vermelha). Deixe o barbante bem justo e procure dar a volta num único plano. Na ilustração, na latinha, a borda da tampa serviu de guia para o barbante não escorregar, saindo do plano ideal, o que provocaria erro grosseiro na medida. É importante ter capricho;
  3. Corte o barbante com cuidado, exatamente no comprimento da volta do objeto. Uma boa dica é você dar a volta no objeto, segurar o barbante, e pedir para alguém marcar com uma caneta hidrocor o ponto exato do corte; 
  4. Estique o barbante que cortou e meça o seu comprimento com uma régua, sempre com capricho. Esse é o valor do perímetro L da circunferência (destacado em verde na ilustração); 
  5. Agora meça com cuidado o diâmetro D da circunferência do objeto (destacado em azul na ilustração). Cuide para que a medida seja feita com a régua passando bem pelo centro da circunferência;
  6. Numa calculadora, divida o L (medido) por D (também medido) . Deve dar um pouco maior do que 3. Algo em torno de 3,1 ou, se você fez tudo com extremo cuidado, mais próximo de 3,14!

 

E, só para lembrar, como o diâmetro D mede o dobro do raio da circunferência, é comum escrevermos L/D = π, ou seja, L = π.D =  π.2r que dá L= 2πr. O comprimento da circuinferência mede L= 2πr. Expressão também bastante manjada, não é mesmo?

 

3,14 Abraços. E FELIZ DIA DO PI PARA VOCÊ!


Divirta-se com o Pi

  • Confira o Pi In the Sky, questões propostas pelo JPL/NASA envolvendo o Pi. Ao entrar no site, baixe o PDF.


* Número irracional é um número real que não pode ser obtido pela razão de dois outros números inteiros.





Um forte abraço. E Física na Veia!
prof. Dulcidio Braz Júnior (@Dulcidio)
às 17h28





::
:: Clique e recomende este post para um amigo
::


 
  ::: NOVO COSMOS NA TV BRASILEIRA :::


Trailer oficial

 

Cosmos foi uma incrível série científica que passou na Rede Globo no início dos anos 80. Idealizada e apresentada pelo incrível Carl Sagan (1934-1996), cientista e divulgador científico dos bons, marcou época em 13 belíssimos episódios.

Em 2005 a revista Superinteressante da Editora Abril relançou Cosmos em DVD. É claro que postei aqui no blog, na esperança de que alguns jovens pudessem ter acesso ao material que há algumas décadas tive o privilégio de ver na TV aberta. E tratei logo de adquirir meus DVDs, aqui guardados com todo carinho. Cosmos ajudou-me a entender, ainda bem cedo, o quanto eu gostava de Física e de Ciência. 

A boa nova é que Cosmos está de volta, em nova série, no mesmo espírito da série original. Agora apresentada pelo Dr. Neil deGrasse Tyson, renomado astrofísico, o novo Cosmos é, segundo site oficial, "uma história de como descobrimos as leis da natureza e encontramos nossas coordenadas no espaço e no tempo. A série conta as histórias inéditas da heroica busca humana pelo conhecimento, transportando os espectadores para novos mundos e por todo o universo para ter uma visão do cosmos na maior e menor escala possível".

A estreia americana aconteceu no começo dessa semana. E aqui no Brasil Cosmos começa a ser exibido nessa quinta-feira, 13 de março, às 22h30min, no NatGeo Channel, com reprises em horários alternativos. Não perco por nada! E, mesmo sem ter visto, recomendo!

Saiba mais sobre a série Cosmos no site da série. 

 

:: Dr Tyson virou Meme


Dr. Neil deGrasse Tyson na famosa pose

 

A figura do Dr. Neil deGrasse Tyson é bastante conhecida pelos internautas pois já foi usada em incontáveis memes pelas redes sociais. A foto acima é a original que deu origem à manjadíssima imagem que, certamente, você reconhece! 

Aproveitei a deixa e criei meu próprio meme sobre o novo Cosmos. Clique na imagem abaixo para abrir versão maior. E pode compartilhar com os amigos, avisandoós sobre o Novo Cosmos que estreia no Brasil nessa quinta, 13 de março! 

 

Encerro esse texto lamentando profundamente que, ao contrário do que acontecia nos anos 80, quando a Rede Globo exibia Cosmos num horário acessível e com o devido destaque, hoje apresenta os seus melhores programas "escondidos" nas madrugadas. Nem na Globo nem nos outros canais abertos de TV temos bons programas de divulgação científica. Cosmos foi mesmo uma exceção. E já vai longe. Que pena! 


Para saber mais

  • Guia dos episódios da nova série Cosmos (por Hemerson Brandão, em AstroPT)

Já publicado aqui no Física na Veia!





Um forte abraço. E Física na Veia!
prof. Dulcidio Braz Júnior (@Dulcidio)
às 17h09





::
:: Clique e recomende este post para um amigo
::


 
  ::: MAIS DOIS ASTEROIDES 'LAMBENDO' A TERRA :::

JPL/NASA

Aproximação do 2014 DX 110 com a Terra. Clique para ver maior.

 

Ontem, 5 de março de 2014, o asteroide 2014 DX 110, com cerca de 30 m de diâmetro, passou a 0,9 distância lunar da Terra. Uma simulação de sua aproximação com a Terra pode ser vista na imagem acima. E você mesmo pode fazer uma simulação (em Java) da órbita do 2014 DX 110 no site do JPL/NASA.

Hoje, 6 de março, outro asteroide, o 2014 EC, com cerca de 10 m de diâmetro, passa ainda mais perto: cerca de 0,2 distância lunar da Terra. Simule (em Java) a órbita desse outro asteroide também, no mesmo site.

Para ter uma ideia de quão perto é 0,9 e 0,2 distância lunar, lembre-se de que a distância média Terra-Lua é de 384.000 km. Basta multiplicar essa distância por 0,9 e 0,2, respectivamente. Astronomicamente, é muito pouco! 

Segundo a NASA, a cada ano, em média, cerca de 20 asteroides invadem o sistema Terra-Lua, ou seja, "lambem" a Terra. São quase dois por mês. E somente entre ontem e hoje já estouramos a média estatística mensal! 

Não é por acaso que o JPL/NASA mantém o NEO - Near Earth Object Project que monitora em tempo real pequenos objetos do Sistema Solar que rondam a Terra. Apensar desses objetos orbitarem o Sol, ao se aproximarem da Terra, podem ter suas órbitas perturbadas pelo aumento na intensidade da gravidade terrestre. Lembre-se de que a força F de atração gravitacional entre a Terra e o asteroide, segundo Newton, pode ser calculada por F = GMm/r² onde G é uma constante, M a massa da Terra, m a massa do asteroide e r a distância Terra-asteroide. Se a distância r diminui, como F varia com o inverso do quadrado de r, F cresce bastante. Em outra palavras, com a aproximação, a Terra "puxa" o asteroide com mais intensidade. Como o asteroide não tem tanta massa, o "puxao" pode perturbar a órbita do pequeno objeto e colocá-lo em rota de colisão com o nosso planeta. 

NEO está de olho nos objetos potencialmente perigosos para o nosso planeta e, apesar dessas rasantes de asteroides na Terra não serem tão raras, não existe hoje nenhum objeto conhecido que apresente perigo iminente para a Terra, pelo menos em alguns anos e até décadas.

Mas, embora pequena, a probabilidade de um objeto desses vir a colidir com o nosso planeta não é zero. Isso quer dizer que "um dia" uma colisão dessas poderá acontecer. Quando não sabemos. Mas precisamos nos preparar para enfrentar o problema. Por enquanto, de concreto, não temos plano algum para um evento dessa natureza. Mas os cientistas continuam trabalhando pesado, estudando o problema, correndo contra o relógio, ainda que sem saber a data certa de um evento dessa natureza.     


Já publicado aqui no Física na Veia!





Um forte abraço. E Física na Veia!
prof. Dulcidio Braz Júnior (@Dulcidio)
às 11h15





::
:: Clique e recomende este post para um amigo
::


 
  ::: POR QUE HOJE É TERÇA-FEIRA DE CARNAVAL? :::

 

Por que hoje é terça-feira de Carnaval? Por que o Carnaval não foi comemorado na terça-feira passada? Por que não será na terça-feira da semana que vem?

Por que o Carnaval em 2014 é em março? Não deveria ser em fevereiro? (...)

Todas essas (e outras) perguntas sobre a data do Carnaval são facilmente repondidas lembrando que, para determinar as datas religiosas móveis do calendário, primeiro sempre encontramos a data da Páscoa. E a data é obtida por um critério astronômico:

"A Páscoa acontece sempre no primeiro domingo depois da primeira Lua Cheia que ocorrer após o Equinócio (de Primavera no hemisfério norte ou de Outono aqui no hemisfério Sul)".

Atualmente usamos outra definição mais moderna e simples de Páscoa:

"A Páscoa acontece sempre no primeiro domingo depois da primeira Lua Cheia que ocorre após o dia 21 de março".

Se consultarmos um calendário lunar (usei esse, on line), veremos que em março de 2014 a Lua Cheia acontecerá no dia 16, um domingo, antes do dia 21 de março que cairá numa sexta-feira.  Confira no calendário logo abaixo (clique na imagem para abrir versão maior).

 

Após 21 de março, a primeira Lua Cheia será no mês seguinte, em 15 de abril, uma terça-feira. E o primeiro domingo após essa data será 20 de abril. Logo, a Páscoa será comemorada no dia 20 de abril de 2014. Pode conferir no calendário abaixo (clique na imagem para abrir versão maior).

 

A partir dessa data da Páscoa (20 de abril de 2014), encontramos as outras datas (religiosas) móveis, de acordo com a tabela abaixo.

Comemorações religiosas com datas móveis

NomeData
Domingo de Carnaval49 dias antes da Páscoa
Terça-feira de Carnaval47 dias antes da Páscoa
Quarta-feira de Cinzas46 dias antes da Páscoa
Domingo de Ramos7 dias antes da Páscoa
Sexta-feira da Paixão2 dias antes da Páscoa
Domingo do Espírito Santo49 dias após da Páscoa
Santíssima Trindade56 dias após da Páscoa
Corpus Christi60 dias após da Páscoa

 

Note que a terça-feira de Carnaval sempre acontece 47 dias antes do domingo de Páscoa. Pode pegar um calendário 2014 e contar: 47 dias antes de 20 de abril é 4 de março, exatamente hoje, a terça-feira de Carnaval!

Dependendo da data da primeira Lua Cheia após 21 de março, pode acontecer da terça-feira de Carnaval cair em fevereiro. Mas também pode cair em março, como em 2014.

Entendeu?

Nesse post forneço um algoritmo para calcular a data da Páscoa a cada ano. Mas, se você não gosta de fazer as contas na ponta do lápis, seus problemas acabaram: a Calculadora on line que disponibilizo aqui no blog pode encontrar automaticamente as datas da terça-feira de Carnaval, da Páscoa e de Corpus Christi. Basta fornecer o ano e clicar no botão "calcular". Experimente 2015, o ano que vem. Veja que a terça-feira de Carnaval 2015 vai cair no dia 17 de fevereiro, ratificando o que eu já disse acima: dependendo da data da Páscoa (que depende da primeira Lua Cheia após 21 de março), o Carnaval pode ser comemorado em fevereiro ou em março.

 

BOM FINAL DE CARNAVAL 2014 PARA VOCÊ! 


Já publicado aqui no Física na Veia





Um forte abraço. E Física na Veia!
prof. Dulcidio Braz Júnior (@Dulcidio)
às 12h56





::
:: Clique e recomende este post para um amigo
::


 
  ::: THE BOBs 2014: INSCRIÇÕES ABERTAS :::

 

Internautas já podem inscrever seus blogs e websites preferidos para participar da décima edição do The Bobs, concurso internacional da Deutsche Welle que desde 2004 escolhe o Melhor do Ativismo Online, privilegiando projetos de qualidade na web em 14 línguas: alemão, árabe, bengali, chinês, espanhol, francês, híndi, indonésio, inglês, persa, português, russo, turco e ucraniano.

Para concorrer, as páginas devem ser de livre acesso. Em quase todas as categorias, todos os formatos podem ser propostos. Não há limites para a criatividade. Também é possível inscrever páginas do Facebook, canais do Youtube, microblogs, podcasts etc. A única exceção é a categoria principal "Melhor Blog", em que se procura apenas blogs.

Para 2014 há um novo júri internacional que vai se reunir em Berlim para julgar os trabalhos inscritos. Alê Youssef representa o Brasil nesse seleto grupo. Além de apresentar o programa Navegador, da Globonews, Alê é comentarista do programa Esquenta, da Rede Globo, e tem uma coluna sobre política na revista Trip.

Em 2013, o vencedor da votação online para a melhor página de internet em português foi o site Catraca Livre, coordenado pelo jornalista Gilberto Dimenstein.

Em 2010, o Física na Veia! foi eleito pelo júri internacional como Melhor Weblog em Português 2009/2010. Veja o selo lá no topo do blog! E abaixo dois pequenos vídeos: um do anúncio do prêmio e outro da premiação que aconteceu em Bonn, Alemanha.


The BOBs 2010: anúncio ao vivo, pela Web

 


The BOBs 2010: recebendo o prêmio em Bonn, Alemanha

 

Confira mais detalhes sobre o The BOBs em matéria da DW. As inscrições podem ser feitas no site oficial do prêmio: thebobs.com/portugues.


Já publicado aqui no Física na Veia!

E ainda:

  • Entrevista oficial para a Deutsche Welle sobre o meu trabalho de professor/blogueiro.




Um forte abraço. E Física na Veia!
prof. Dulcidio Braz Júnior (@Dulcidio)
às 17h30





::
:: Clique e recomende este post para um amigo
::


 
  ::: HOJE TEVE ECLIPSE SOLAR :::

SDO/NASA

 

O SDO - Solar Dynamics Observatory registrou um eclipse solar hoje. E a foto acima é uma prova irrefutável do belo evento.

Mas não fique triste se você não viu. Nem você nem ninguém daqui da Terra poderia ver o fenômeno que só foi observado do espaço, pelos olhos da sonda que orbita o nosso planeta.

Anualmente o SDO registra a passagem da Lua diante do disco solar. Mas o evento de hoje foi especial pois durou 2,5 horas, o mais longo nos quatro anos da missão. E o disco solar teve obstrução de 90%.

A sonda do SDO utiliza energia solar. Para evitar problemas, ela recebeu uma carga extra nas baterias para "sobreviver" à passagem da Lua diante da sua fonte de energia. 

Não deixe de ver uma animação feita a partir de imagens sequenciais capturadas pelo  SDO. Note que, curiosamente, logo que a Lua sai da frente do Sol, ocorre um belo flare solar que tem origem na enorme região ativa AR 1967 que surgiu por esses dias e, por conta da rotação do Sol, ficará de frente para a Terra nos próximos dias. 


Para ver


Já publicado aqui no Física na Veia!


Fique ligado na fanpage do Física na Veia! no Facebook:

www.facebook.com/FisicaNaVeia

 

Aproveite para CURTIR a página. Basta um clique para receber automaticamente todos os posts do blog e novidades diárias de Física e Astronomia! 





Um forte abraço. E Física na Veia!
prof. Dulcidio Braz Júnior (@Dulcidio)
às 16h36





::
:: Clique e recomende este post para um amigo
::


 
  ::: BRINCANDO DE GALILEU COM UMA CÂMERA DIGITAL III :::

Fotos digitais: Dulcidio Braz Jr (com Sony DSC HX 100V)

Lua Minguante (acima) e Vênus (pontinho luminoso mais abaixo)

 

Aproveitei que madruguei hoje para dar aulas em Poços de Caldas, MG, e por volta das 5h50min, pouco antes de subir a serra, tirei umas fotos do céu daqui de São João da Boa Vista, interior de São Paulo.

O cenário (veja foto acima) estava lindo: céu limpo, com uma "casquinha" de Lua Minguante e logo baixo o planeta Vênus, um pontinho bem brilhante.

O Sol, ainda abaixo do horizonte, estava por nascer. E por isso mesmo iluminava apenas a porção inferior da esfera lunar, provocando o efeito "casquinha" bem típico da Lua Minguante que já está quase se tornando Lua Nova. 

Agora raciocine comigo:

  1. Vênus também é uma esfera, certo? Maior do que a Lua mas, como está mais distante, aparenta ser bem menor do que o nosso satélite quando visto daqui da Terra. Por isso, na imagem "aberta" acima Vênus é visto como um pontinho luminoso enquanto para a Lua temos noção de volume, ou seja, a vemos como uma esfera. A foto representa bem o que vemos a olho nu.
  2. Mas, na posição em que estava no céu, Vênus (que também é uma esfera) era iluminado pelo Sol também na porção inferior. Concorda? 
  3. Logo, é bem provável que Vênus, visto com mais zoom, em vez de apenas um pontinho, também tenha a aparência de uma "casquinha", como a Lua Minguante, já que também recebe luz solar apenas na porção inferior. Faz sentido? 

Para tirar a prova de vez, fotografei Vênus com o zoom máximo da câmera digital. E constatei a fase de Vênus, bastante semelhante à fase da Lua. Clique na imagem abaixo para abrir versão maior. A resolução não é fantástica pois trata=se de um registro feito apenas com uma câmera digital e não com um telescópio. Mas vale como prova experimental da existência das fases de Vênus!

 

Clique para abrir versão maior
Fase de Vênus e da Lua, em destaque

 

Pouca gente sabe que Vênus também apresenta fases, como a Lua, dependendo do ângulo em que é iluminado peloa luz solar, ou seja, dependendo da sua posição na órbita ao redor do Sol. A ilustraçãoa abaixo nos dá uma ideia de como é isso na prática.

on.br

Note que, quando Vênus está em conjunção superior, "mostra para a Terra" a sua face totalmente iluminada pelo Sol e, portanto, tem a aparência de uma Lua Cheia. Em conjunção inferior, a face de Vênus voltada para a Terra não está totalmente iluminada e, portanto, o planeta Vênus tem a aparência de uma Lua Crescente ou Minguante. 

Tratei desse assunto com mais detalhes nesse post, em 2009, dentro das comemorações do Ano Mundial da Astronomia em homenagem a Galileu*. Ilustrei o texto com astrofotos próprias.

Hoje, com uma câmera digital melhor, com mais resolução e zoom óptico, consegui registrar de forma bem mais nítida a atual fase de Vênus. 

 

:: A Luz Cinérea da Lua

Clique para abrir versão em resolução maior
A luz cinérea da Lua: luz onde deveria estar totalmente escuro

 

Outro fenômeno curioso é o da luz cinérea da Lua, registrado na imagem acima. Já ouviu falar dela? Você mesmo já a observou ao vivo? Clique na imagem para abrir versão maior.

Note que a "casquinha" inferior de Lua bem brilhante corresponde à porção do nosso satélite diretamente iluminada pelo Sol. O restante da face da Lua voltada para a Terra não recebe luz solar diretamente e, portanto, deveria ficar totalmente na escuridão. Mas não fica! Perceba que há uma tênue luz que nos permite ver de forma muito sutil o relevo lunar na porção do nosso satélite logo acima da "casquinha". É isso que chamamos de luz cinérea da Lua. 

Para registrar o fenômeno usei um recurso técnico da câmera: aumentei o tempo de exposição para capturar mais luz e, portanto, potencializar o efeito da luz cinérea que, na prática, é bastante suave. Na foto o fenômeno ficou bem mais evidente do que a olho nu. Como efeito colateral, a parte bem iluminada da Lua, a "casquinha", saiu superexposta, ou seja, com nível de iluminação bastante estourado. Mas acho que assim dá para entender melhor o que é a lua cinérea da Lua, não dá? 

Muito curioso, não? Mas como explicar a existência da luz cinérea?

Não é tão complicado. Na prática, parte da luz solar que atinge a Terra é refletida pelo planeta de volta para o espaço. E uma porção dessa luz rebatida atinge a Lua, onde deveria estar escuro, iluminando-a. Não se trata de luz tão intensa quanto a luz solar solar direta. Mas é suficiente para "clarea" a região da Lua que deveria estar negra, em total escuridão, nos permitindo ver de forma bastante sutil o relevo lunar. 

A luz cinérea é como o luar, luz refletida pela Lua Cheia que ilumina a Terra. Só que ao contrário! Nesse caso é a luz refletida pela Terra que ilumina a Lua. Entendeu? 


* O Física na Veia! foi, aqui no Brasil, blog oficial nas comemorações do Ano Mundial da Astronomia. 


Já publicado aqui no Física na Veia!





Um forte abraço. E Física na Veia!
prof. Dulcidio Braz Júnior (@Dulcidio)
às 19h47





::
:: Clique e recomende este post para um amigo
::


 
  ::: SATÉLITES GALILEANOS FAZEM SOMBRA EM JÚPITER :::

spaceweather.com
Clique!
Luas de Júpiter fazendo sombra no planeta (clique para ampliar)

 

No último dia 5 de janeiro, Júpiter esteve em oposição, ou seja, numa posição da sua órbita em que fica do lado oposto do Sol em relação à Terra.

Em outras palavras, os três astros (Sol-Terra-Júpiter) estavam praticamente alinhados, com a Terra no meio dos dois.  A imagem abaixo, obtida em solarsystemascope.com, dá uma ideia das posições relativas dos astros (propositaçmente fora de escala).


Simulação: Júpiter em oposição em 5 de janeiro de 2014

 

Dessa forma, quando um observador na Terra (à noite) estava vendo Júpiter no céu, o Sol estava "às suas costas", ou seja, iluminando o outro lado da Terra (onde era dia). E o Sol também estava iluminando diretamente a face do gigante gasoso voltada para o observador terrestre.  

Nessa situação, se uma lua (ou satélite natural) de Júpíter passar na frente do disco planetário, poderemos ver daqui da Terra a sua sombra projetada no planeta. 

Vários astrônomos aproveitaram a oportunidade para fazer fotos das quatro maiores luas de Júpiter (ou satélite galileanos*) projetando sombra sobre Júpiter.

O site spaceweather.com fez uma montagem com alguns dos melhores registros do fenômeno espalhados pelo mundo.

Clique na imagem acima para abrir versão em maior resolução. Lindo, não? 

Agora imagine o que aconteceria se alguém estivesse exatamente num ponto de Júpiter dentro da região de sombra de uma das luas. O que esse observador veria? 

Se respondeu um eclipse solar total, acertou na mosca! Nesse ponto do planeta, a lua de Júpiter estaria obstruindo completamente o Sol. Mas vale lembrar que Júpiter é gasoso. Por isso mesmo esse observador não poderia estar apoiado numa superfície sólida mas talvez estivesse sobrevoando o planeta Júpiter numa nave. 


* Em 1609 Galileu observou pela primeira vez, com uma luneta feita por ele mesmo, as quatro maiores luas de Júpiter. Io, Ganimedes, Calisto e Europa são, por isso mesmo, chamadas de satélites galileanos. E vale lembrar ainda que, em observações por vários dias seguidos, Galileu constatou que os satélites orbitavam Júpiter, comprovando experimentalmente que a Terra não era o centro do Universo, balançando as bases do Geocentrismo e abrindo caminho para o Heliocentrismo. 


Já publicado aqui no Física na Veia!





Um forte abraço. E Física na Veia!
prof. Dulcidio Braz Júnior (@Dulcidio)
às 20h37





::
:: Clique e recomende este post para um amigo
::


 
  ::: EU QUERO ROSETTAR :::

 

Depois de curto período de férias, voltei hoje a dar aulas e já estou aqui no blog para o primeiro post de 2014. E a motivação é a sonda Rosetta, da  ESA - Agência Espacial Europeia.

Lançada em março de 2004, seu principal objetivo é pousar o Philae, um pequeno artefato de cerca de 100 kg, no núcleo do cometa 67P/Churyumov–Gerasimenko.

Vale lembrar que nunca houve missão parecida. Em 4 de julho de 2005, a NASA lançou um projétil, o Impactor, contra o cometa Tempel 1. O Impactor partiu da sonda principal da missão Deep Impact e abriu um rombo no cometa. A ideia era espiar dentro do astro além de analisar as partículas levantadas pela explosão, numa tentativa de melhor entender os misteriosos cometas que os cientistas acreditam serem restos da formação do Sistema Solar.

Mas perceba a diferença: a Deep Impact foi um aremesso, literalmente um tiro contra um cometa. Desta vez, a pequena sonda Philae vai sobrevoar um cometa e, de forma controlada, pousar suavemente na superfície do seu núcleo. Por pelo menos uma semana a Philae deve estudar in loco a composição do cometa. Vai ser sensacional!

A aproximação com o cometa começa em maio de 2014. Em meados de agosto a Rosetta deve passar todo o tempo da missão focada em mapear o astro. O pouso, ápice da missão, deve ocorrer somente em novembro. 

Para conseguir tal feito, a Rosetta, depois de lançada, já realizou diversas manobras enquanto aproveitava para cumprir outras pequenas missões (veja vídeo acima). Em junho de 2011, sem ter o que fazer pelos próximos três anos, foi colocada em regime de hibernação. Ontem, 20 de janeiro, a sonda foi literalmente acordada. Um alarme, programado no computador central, deveria despertar a Rosetta às 8h (horário de Brasília). Após checkup programado, a sonda deveria enviar sinal ao centro de controle, na Alemanha, informando que havia "acordado" e que tudo estava bem. E foi exatamente isso o que aconteceu. No final da tarde, o centro de controle recebeu o sinal que viajou da Rosetta, através do espaço, até o planeta Terra. Saiba mais nesse vídeo da TV UOL.

 

:: Entendo o título do post


Foto: Jorge Veiga e Wanderleia. Audio: "Eu quero é rosetar"

 

Em 1947, fez bastante sucesso a marchinha de Carnaval "Eu quero rosetar" de autoria de Haroldo Lobo e Mílton de Oliveira e cantada por Jorge Veiga.

Rosetar, segundo o dicionário, significa divertir-se, cair na folia. E a foto abaixo, que mostra os cientistas comemorando a chegada do sinal de wake up da Rosetta não deixa dúvidas de que todo mundo no centro de controle rosettou!

Clique!  
Comemoração na chegada do sinal de wake up da Rosetta (clique para
abrir noutra janela versão em maior resolução)

 

Lembrei-me da marchinha e fiz a brincadeira. Espero que possamos passar o Carnaval e todos os outros feriados do ano de 2014 rosettando, ou seja, comemorando com alegria as notícias que devem chegar da sonda Rosetta e, principalmente, torcendo pelo sucesso da missão principal de pouso no cometa, fato que marcará a história da Astronomia e da Astronáutica. 

Fique ligado aqui no blog e também na fanpage, no Facebook. Apareceu uma novidade, publico!


Para saber mais

  • Vídeo - "Começa Contagem Regressiva para Primeira Aterrissagem em Cometa da História" (TV UOL)
  • Matéria (em inglês) no site da ESA

Já publicado aqui no Física an Veia!





Um forte abraço. E Física na Veia!
prof. Dulcidio Braz Júnior (@Dulcidio)
às 19h43





::
:: Clique e recomende este post para um amigo
::


 
  ::: 2014: ANO NOVO, AURORAS NOVAS :::

SDO/NASA
Clique para ver imagem em resolução maior
Buraco coronal registrado hoje em três comprimentos de onda

 

O AIA - Atmospheric Imaging Assembly) do SDO - Solar Dynamics Observatory é um instrumento capaz de fotografar o Sol em dez diferentes comprimentos de onda a cada dez segundos.

O AIA registrou hoje um buraco coronal no hesmifério norte do Sol. A imagem acima, que ratifica o fenômeno, é composta de três diferentes comprimentos de onda: 171 Å, 193 Å e 211 Å (1 Å, que se lê "1 ângstron" corresponde a 0,0000000001 m, ou seja, 1.10-10 m ). Clique na imagem para abrir versão maior  noutra janela.

O termo buraco refere-se a uma região da superfície solar onde o campo magnético literalmente se abriu, criando uma fenda por onde escapa o vento solar, um fluxo contínuo de partículas ejetadas da nossa estrela. 

Essas partículas do vento solar são lançadas para o espaço e podem atingir a Terra. Quando isso acontece, pela interação com a atmosfera, surgem as Aurora Boreais e Austrais. Pela velocidade do vento solar, estima-se que a Terra será atingida por esse sopro solar entre os dias 2 e 3 de janeiro, logo no começo de 2014, com grandes possibilidades de formação de auroras boreais nas latitudes mais altas do planeta  (confira explicações mais detalhadas spbre a formação das auroras nesse post). 

Note ainda, na imagem acima, uma representação do campo magnético solar através de linhas brancas que foram desenhadas sobre a foto. Essas linhas mapeiam o campo magnético solar, nos dando uma boa noção de como ele está distribuído ao redor da nossa estrela. Segundo a teoria, em cada ponto da linha o vetor campo magnético é tangente à linha e tem o sentido de circulação da mesma. Repare que alguns vetores campo magnético, seguindo essa ideia, foram representados na imagem. 

Sempre que vejo uma imagem dessas lembro-me do tradicional experimento de jogar limalha de ferro nas proximidades de um imã. Nesse caso, o plasma solar faz o papel de limalha, dando aos pesquisadors uma perfeita noção da distribuição espacial do campo magnético ao redor do Sol. 

A imagem abaixo é a mesma que a de cima, só que apenas no comprimento de onda de 193 Å. Nesse casos, o buraco coronal fica bem mais evidente. Mas perdemos a noção da distribuição do plasma (e portanto do campo magnético) ao redor do Sol. Na verdade, cada comprimento de onda registrado pelo SDO da radiação solar evidencia um determinado aspecto (ou estrutura) da dinâmica solar.

SDO/NASA
Clique para ver imagem em resolução maior
Buraco coronal registrado hoje em 193 Å 

 

:: Entendendo Melhor Os Comprimentos de Onda

Para entender melhor os valores de comprimento de onda λ = 171 Å (ou 171 ângstrons), λ = 193 Å (ou 193 ângstrons) e λ = 211 Å (ou 211 ângstrons) acima citados, precisamos relembrar que a radiação eletromagnética (ou luz) visível está na faixa de frequências que vão (aproximadamente) desde 4,0.1014 Hz (vermelho) até 7,5.1014 Hz (violeta).

A velocidade de propagação radiação eletromagnética no vácuo, visível ou não, vale aproximadamente V = c = 3.108 m/s.

Lembrando da Equação Fundamental da Ondulatória, V = λ.f, podemos encontrar os valores de comprimento de onda λ que delimitam a faixa visível da luz. Veja:

Note que, como frequência (f) e comprimento de onda (λ) são grandezas inversamente proporcionais, quando f é máximo, λ é mínimo, e vice-versa.

Descobrimos, pelos cálculos acima, que a faixa vísivel  do espectro eletromagnético vai de 400 nm (violeta) até 750 nm (vermelho).

Lembre-se de que 1 nm =  1.10-9 m (lê-se nanômetro). Logo, 1 nm = 1.10-9 m = 10.10-10 m.  Mas 1.10-10 m = (que é 1 Å , ou seja, 1 ângstron).  Em ângstrons, os comprimentos de onda da luz visível estão na faixa que vai de 4000 Å (violeta) até 7500 Å (vermelho).

Conclusão: os comprimentos de onda registrados pelo SDO nas imagens que ilustram esse post (λ = 171 Å = 17,1 nm, λ = 193 Å = 19,3 nm e λ = 211 Å = 21,1 nm) são menores do que λ = 4000 Å = 400 nm (violeta), ou seja, correspondem à radiação solar com frequência acima do violeta (ou comprimento de onda abaixo do violeta), faixa do espectro que costumamos chamar de ultravioleta. 

Veja, no belíssimo vídeo "Jewell Box Sun" logo abaixo, como cada comprimento de onda registrado evidencia um diferente aspecto da complexa dinâmica solar. Na verdade, cada comprimento de onda corresponde a uma determinada emissão quântica, ou seja, a uma linha espectral bem específica que surge por conta de alguma transição eletrônica em algum elemento químico excitado presente no Sol. A linha 193 (λ = 193 Å = 19,3 nm), por exemplo, evidencia uma emissão específica do ferro, o que nos revela um detalhe específico da dinâmica solar. E é assim com todas as outras linhas, escolhidas a dedo pelos cientistas que projetaram o SDO sabendo exatamente os detalhes que queriam ver. 

Lindo, não? Tanto pelo projeto super inteligente de observação seletiva do Sol quanto pelas imagens que nos revelam detalhes incríveis da nossa estrela! 

__________________________________________

Aproveito as belas imagens do Sol, fechando 2013*, e a possibilidade de lindas auroras boreais logo no início de 2014, para desejar a você um

 

FELIZ ANO NOVO!



* Só para lembrar: em 2013 tivemos um pico nas atividades solares. Ele já era previsto e se repete a cada 11 anos. Mas, apesar da atividade solar começar a cair, aposto que ainda teremos por um bom tempo muitos eventos interessantes acontecendo no Sol que ainda vai estar agitadinho por um bom tempo!


Para ver

  • Imagens mais recentes dos insrumentos do SDO. Note que cada comprimento de onda registra um detalhe bem diferentes de cada estrutura do Sol. Isso é proposital. Com as imagens os cientistas conseguem ver exatamente o que querem de cada estrutura do Sol.

Já publicado aqui no Física na Veia!





Um forte abraço. E Física na Veia!
prof. Dulcidio Braz Júnior (@Dulcidio)
às 20h26





::
:: Clique e recomende este post para um amigo
::


 
  ::: A ROTAÇÃO DE FOBOS, EM VÍDEO :::

Mars Express/ESA

 

O video acima mostra detalhes de Fobos, uma das duas luas de Marte, o quarto planeta do Sistema Solar, também conhecido como Planeta Vermelho. O filme foi criado a partir de imagens estáticas do satélite marciano feitas pela Mars Express da ESA - Agência Espacial Europeia. Veja-o em tela inteira. É incrível! 

A rotação acelerada de Fobos que observamos no vídeo é uma ilusão criada pela sequência de imagens. Fobos, assim como a nossa Lua, tem rotação e translação sincronizadas, ou seja, com o mesmo período. Dessa forma, Fobos rotaciona lentamente ao redor de si mesmo enquanto orbita o planeta Marte, sempre "mostrando" a mesma face para o planeta, assim como a nossa Lua sempre "mostra" o mesmo lado para o nosso planeta enquanto o orbita (saiba mais nesse post).  

Junto com Deimos, Fobos completa a dupla de satélites marcianos. Fobos e Deimos são dois corpos bem pequenos, com diâmetros médios de 22 km e 13 km, respectivamente. Como podemos observar no vídeo, Fobos é bastante irregular. Deimos também é. Por terem pequena massa, eles não têm gravidade suficiente para serem "moldados" no formato esférico como alguns corpos maiors e mais massivos do Sistema Solar.

Acredita-se que Fobos e Deimos faziam parte do Cinturão de Asteroides, faixa de asteroides situada entre Marte e Júpiter. Mas a gravidade marciana deve ter capturado os dois, obrigando-os a orbitarem o planeta Marte (em vez do Sol), "escravizando-os" como satélites do planeta vermelho.

O belíssimo e curioso vídeo foi publicado em destaque no dia 25 de dezembro de 2013 no APOD - Astronomy Picture of The Day da NASA - Agência Espacial Americana. 


Já publicado aqui no Fìsica na Veia

 





Um forte abraço. E Física na Veia!
prof. Dulcidio Braz Júnior (@Dulcidio)
às 17h50





::
:: Clique e recomende este post para um amigo
::


 
  ::: FELIZ NATAL! :::


Já publicado aqui no Física na Veia!





Um forte abraço. E Física na Veia!
prof. Dulcidio Braz Júnior (@Dulcidio)
às 13h30





::
:: Clique e recomende este post para um amigo
::


 
  ::: O 'FANTASMA' DO COMETA ISON :::

STEREO A

Frame de vídeo que mostra o "fantasma" do cometa ISON

 

A imagem acima é um frame de um vídeo da sonda STEREO A feito no primeiro dia de dezembro, logo após a passagem periélica do ISON. Processado por Alan Watson, o vídeo mostra com bastante clareza a nuvem em forma de V que parece ser o que sobrou do cometa ISON.

Em workshop informal realizado ontem, cientistas do CIOC - Comet ISON Observing Campaign argumentaram que o núcleo do cometa parece ter sido extinto enquanto se aproximava do Sol, restando apenas uma nuvem de poeira, praticamente um fantasma do cometa que no vídeo fica mais evidente quando é atingido pelo plasma de uma explosão solar. 

Talvez nessa nuvem ainda restem fragmentos do núcleo. Mas isso parece bastante improvável porque o instrumento SWAN - Solar Wind ANisotropies do SOHO deixou de detectar linhas espectrais Lyman - alfa (121,6 nm) vindas da nuvem que restou do cometa. Essas linham surgem da excitação do hidrogênio pela luz solar. A ausência dessas linhas evidenciam baixos níveis de hidrogênio e, portanto, muito pouco ou nenhum gelo, o que praticamente decreta o fim do núcleo do cometa. 

Não deixe de conferir o belo vídeo. E, se quiser se aprofundar no tema linhas espectrais e linhas de Lyman, confira post sobre o Modelo de Bohr publicado aqui recentemente. 

Na fanpage do Física na Veia! no facebook continuo ligado nas novidades do ISON (ou seu fantasma) em tempo real. 


Já publicado aqui no Física na Veia!





Um forte abraço. E Física na Veia!
prof. Dulcidio Braz Júnior (@Dulcidio)
às 11h26





::
:: Clique e recomende este post para um amigo
::


 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]  
 
 
 



Dulcidio Braz Jr
Físico/Professor, 49 anos

São João da Boa Vista
São Paulo/Brasil
  visitante(s) on line agora
Física na Veia!, um Blog Legal do UOL!
Clique e assine

Busca aqui no Física na Veia!
 
 

Clique para conhecer meu livro de Física Moderna
Sobre Física, você diria que:
Adora
Gosta, mas tem muita dificuldade em aprender
Não gosta, mas reconhece que é importante
Não gosta e acha bobagem
Odeia
Votar Ver resultado parcial





  ESPECIAIS TEMÁTICOS








Clique aqui e dê sua nota para o Física na Veia

Clique aqui e indique o Física na Veia para os amigos!





Add to Technorati Favorites